Falando do que poucos falam…

image001

Oi, pessoal!

Eu pensei muito sobre o formato do blog agora que acabou o desafio dos posts diários e depois de uma super torcida pra que o blog continue, o que além de me deixar EXTREMAMENTE feliz, me deixou muito surpresa!

Decidi continuar com o blog com postagens semanais, se você não é assinante essa é sua chance de receber as notificações por e-mail, porque eu preferi não definir um dia pra publicação pra conseguir cumprir um post por semana!!!

Hoje quero indicar um documentário MARAVILHOSO (na minha opinião), quem ainda não assistiu por favor não deixe de ver  “ O começo da VIDA”, além da enxurrada de informações sobre um tema que não é tão valorizado e divulgado como deveria ser que é  “a importância dos primeiros anos de vida na formação de uma pessoa”…

O documentário feito nos quatros cantos do mundo (8 países), levanta tantos questionamentos que passam desapercebidos na nossa sociedade, vou citar alguns que mexeram muito comigo.

Nossos bebês são lindas sementes e é nosso papel, enquanto sociedade, preparar o solo e tornar a terra fértil para ver brotar e florescer todo o seu potencial.

Estela Renner
Cineasta e Roteirista

1º Em determinado momento uma especialista que eu não gravei do que, mas fiquei com vontade de fazer um outdoor com o questionamento dela que eu vou parafrasear aqui “ A sociedade  investe, se dedica e se preocupa ir em busca de novos planetas e em descobrir novos mundos, mas não se preocupa em investir em politicas publicas que formem seres humanos melhores”  

2°  Uma outra especialista fez um outro comentário que não é novidade, mas que ignoramos como se não existisse, vou parafraseá-la também, “A pobreza rouba todos os diretos de uma criança se tornar um ser humano bom, porque impossibilita ela deixa de ter acesso a saúde, segurança, alimentação, vestuário e atenção necessária dos pais.”

3º Mas não menos importante a desvalorização da sociedade para mães que abrem mão da carreira por entenderem a importância que isso tem pra HUMANIDADE em criarem seus filhos, apesar de pra muitos isso parecer NADA.

No resumo é um documentário de overdose de FOFURA, muita informação e além de ser muito comovente, pois nos mostra a realidade dura da consequência da MISÉRIA espalhada por esse mundo…

Eu chorei muito quando uma menina da Índia (eu acho) respondeu pra repórter “Eu não tenho sonhos”, se ela tinha 10 anos era muito…

Mesmo que ter filho seja a última coisa que você pense nesse momento, lembre-se que conhecimento e informação nunca é demais…

Ah… Não deixe de indicar pro máximo de pessoas que você conhece, porque esse documentário é SENSASIONAL!

Quer saber mais: http://www.fmcsv.org.br/pt-br/o-que-fazemos/filme-o-comeco-da-vida/Paginas/filme-o-comeco-da-vida.aspx

Site do documentário: http://ocomecodavida.com.br/

obs.: Também está disponível no Netflix.

Bjos, Ju

O maior patrimônio: as viagens que fazemos, os lugares que conhecemos…

#30ideias30dias  30º dia

sonhar-com-viagem

Oi pessoal!!!

Hoje depois de muito atraso eu finalmente concluo o desafio #30ideias30dias, estou feliz por vencido essa etapa de forma tão prazerosa… Espero que vocês tenham gostado e muito obrigada por fazerem parte dessa realização!

Escolhi pra finalizar essa 1ª etapa do blog um dos assuntos que eu mais AMO na vida, VIAJAR… Li esse texto e me identifiquei muito com ele e por isso decidi compartilha-lo!

O maior patrimônio: as viagens que fazemos, os lugares que conhecemos

Estive ausente na última semana, de férias, viajando com minha família. Foi momento de abandonar meu cotidiano apertado e experimentar ser eu mesma sem as exigências da rotina.

Visitamos museus e vinícolas, experimentamos novos sabores, atravessamos pontes, subimos e descemos morros e montanhas, vimos o pôr do sol do alto de um mirante, conhecemos a casa de um grande poeta.

Porém, a gente não precisa ir tão longe para descobrir que a vida pode ser decodificada de uma forma mais leve, doce e sensível _ se estivermos abertos e dispostos a isso.

Como diz o poema de Fernando Pessoa: “Para viajar, basta existir”. O que precisamos é aprender a perceber o mundo de forma diferente. Aprender a perceber nós mesmos longe daquilo que pensamos ser essencial e que muitas vezes não é.

Viajar pode ser a oportunidade de aprendermos a reagir positivamente diante dos imprevistos, e descobrir que somos capazes de reinventar nossos planos usando a criatividade e a coragem. E agora me lembro da última animação da Disney Pixar, o desenho “Procurando Dory” , que assisti esta semana no cinema com o filhote. Num dado momento, Marlim, o peixe preocupado e certinho, se pergunta: “O que Dory faria nesta situação?”, e descobre que a amiga, “doidinha” e tranquila, tem muito mais recursos para sair de apuros do que ele.

No nosso primeiro dia de viagem pelo Chile, descobri que tinha reservado o hotel de forma errada. No lugar de sete diárias, tinha reservado apenas uma! Foi a oportunidade de sermos criativos como Dory e, com muito bom humor, arranjar outro hotel para a viagem continuar.

Viajar é a oportunidade de nos recriarmos de formas mais simples e descompromissadas, descobrindo que nosso mundo pode caber no espaço de uma mala, e que nossos pés ficam muito mais leves usando apenas chinelos de dedo ou meias confortáveis.

Nos apegamos ao nosso mundo, nossas coisas, nossos objetos… como se isso pudesse nos definir. Ter uma casa, um ou dois carros na garagem, um closet cheio de roupas e sapatos… tudo isso é bom e nos dá segurança, mas somente deixando tudo isso pra trás e seguindo com uma mala de rodinhas, podemos experimentar o que aguça nossos sentidos e nos sensibiliza por completo. Como quando nos emocionamos diante de uma música nova, um pôr do sol deslumbrante ou um sabor que nos faz suspirar.

De repente descobrimos que a vida pode ser declamada como pura poesia, basta a gente estar pronto e aberto a enxergar.

Fora do barulho e poluição das ruas, distante da urgência dos despertadores, longe das mesmas paisagens e sabores… podemos acolher quem somos de fato. E nos percebermos crianças diante do mundo que acontece como grande novidade.

Visitando a casa do poeta Pablo Neruda, e pouco a pouco entrando na história que ele vivenciou, poetizou e imortalizou, me senti inspirada a olhar minha própria existência com olhos de poesia, transformando minha antiga atmosfera numa nova possibilidade.

Talvez o maior patrimônio seja esse: viajar, ultrapassando as fronteiras de nosso universo particular, descobrindo o que nos comove a ponto de voltarmos renovados.

É gostoso investir num sapato bacana, numa roupa nova, numa bolsa diferente. Mas investir num voo que nos conduz por novos horizontes, onde poderemos nos reciclar e recriar por algum tempo, é aquilo que todos dizem: “não tem preço”.

Não há dinheiro mais bem gasto do que aquele que usamos para viajar. Que permite que nossos pés toquem um solo desconhecido e nossa pele sinta o frio dilacerante ou calor reconfortante. Que desafia nossa percepção e instiga nosso olhar; que nutre nossos sentidos e aguça nosso paladar; que nos oferece caminhos onde iremos pisar e jornadas que irão nos transformar.

“Para viajar, basta existir”. Que você descubra o que lhe move, o que lhe comove, o que desperta seu desejo de reciclar-se perante o mundo. Que possa fazer as malas de vez em quando e sair à rua cantarolando. Que possa abandonar partes de si mesmo que não têm mais significado e descobrir novos territórios para ocupar os espaços vazios. Que haja mar, brisa suave e cheiro de terra molhada. Que chova à noite e faça sol de dia. Que o dia branco prometido seja compensado pela nevasca da madrugada, e que a água salgada deixe escorrer tudo o que já lhe causou dor no passado.

Faça as malas se puder. Faça planos, trace rotas, decifre mapas. Vá a lugares que só conheceu em seus sonhos, pise firme no chão que escolheu e respire fundo na atmosfera que te acolheu. Abandone bagagens desnecessárias e despeça-se do que não faz mais sentido. Olhe-se nos olhos frente ao espelho e encontre uma pessoa renovada. Lave o rosto, penteie o cabelo e tome uma xícara de café. Sinta-se vivo, sinta-se outro, sinta-se pronto pra começar de novo…

Leia mais: http://www.asomadetodosafetos.com/2016/07/o-maior-patrimonio-as-viagens-que-fazemos-os-lugares-que-conhecemos.html#ixzz4Er9OJV2H

Bjos, Ju

TAG: viagem, rotas, destinos, vida , decisão, escolha, investimento, qualidade de vida, dinheiro, consumo.

Crescimento x Maturidade….

#30ideias30dias  29º dia

Procuremos ser mais pais do nosso futuro do que filhos do nosso passado.

– Miguel de Unamuno –

image001

A indicação de hoje veio da minha amiga  Renata (Valeu Rê!!!) … Achei esse texto muito interessante é sempre bom repensar sobre o que realmente significa MATURIDADE /AMADURECIMENTO…

A maturidade de não culpar ninguém pelo que me acontece

Você se lembra de quando era pequeno? A infância é uma época maravilhosa e é por isso que, frequentemente, voltamos a olhar para trás com nostalgia. É o período em que estamos descobrindo o mundo e, simultaneamente, sentimos a segurança que o cuidado dos adultos nos proporciona.

Na infância e na adolescência, são nossos pais ou responsáveis quem se encarregam de nos proteger, de suprir nossas necessidades e, não menos importante, de tomar as decisões por nós. É por isso que crescer é uma experiência agridoce; a verdade é que perdemos em comodidade e segurança, mas ganhar algo muito valioso: a liberdade.

Com o passar dos anos, progressivamente, tomamos as rédeas de nossa própria vida e surge a maturidade. O mais imediato é que trabalhemos para tomar conta de nossas necessidades básicas, mas há outros aspectos pelos quais também temos que aprender a nos responsabilizarmos: nossos laços afetivos, por exemplo, ou nossa saúde mental.

É na forma como lidamos com essa responsabilidade que está a diferença entre o crescimento e o amadurecimento. O tempo passa implacavelmente e todos nós crescemos, mas a forma como nos responsabilizamos por nossas emoções é o que determinará se, além de termos crescido, também amadurecemos.

A maturidade nos ensina a procurar soluções antes de culpados.

Tomar decisões implica experimentar emoções relacionadas ao medo de errar e à incerteza. Tanto é assim que, às vezes, nos bloqueamos e temos muita dificuldade em escolher um caminho ou outro.

Mas a verdade é que todos nós vamos errar, porque cometer erros é parte do processo de aprendizagem. Você se lembra de quando estava aprendendo a somar na escola? No início, fazer as contas era muito complicado e cometíamos muitos erros mas, com a prática, somar se tornou uma habilidade básica.

Assumir que erramos envolve um complexo processo de reflexão e análise dos fatos, e é por isso que, às vezes, é mais fácil procurar razões externas que justifiquem nossos erros. Aqui é onde entra o jogo da culpa. Frequentemente, quando encontramos obstáculos ou temos um problema, nossa mente se empenha em encontrar culpados.

Até quando tropeçamos em um objeto inanimado colocamos a culpa dele estar no meio do caminho. Isso nunca aconteceu com você? Você está andando distraído pela calçada e bate contra um brinquedo que não deveria estar ali, machucando justamente aquela parte mais dolorosa da ponta dos pés: o dedinho. Sem pensar duas vezes, você escuta a si mesmo criticando o “maldito brinquedo”.

Mas o que acontece quando o obstáculo que encontramos é algo mais importante que um brinquedo no meio da calçada?

Pode ser que você não seja aprovado, repentinamente, em uma prova para a qual acreditava estar preparado, ou que não renovem seu contrato de trabalho, ou que tenha problemas ao conversar com seu parceiro, ou que seu pai se chateie com você quando expressa a sua opinião.

Se nós não refletirmos, se nos deixarmos levar pelas emoções, a culpa será algo que aparece com luzes de neon em nossa mente. Pode ser que coloquemos a culpa nos demais, na circunstância e inclusive em nós mesmos. Mas, pare e pense: a culpa ajuda em quê?

Quando responsabilizamos os outros ou nós mesmos pelo que acontece estamos nos concentrando em emoções e atitudes negativas: a raiva e a frustração nos invadem, sentimos tristeza ou rancor, mas não avançamos. Em resumo, somos mais infelizes.

No entanto, se atravessarmos essas emoções negativas e chegarmos ao outro lado, nos daremos conta de que, além de quem quer que sejam os culpados, existe algo muito mais útil: empreender uma ação que nos ajude a mudar a situação. Se procurarmos as soluções, estaremos emitindo a nós mesmos a mensagem de que, seja o que foi que houve de errado, podemos tratar de consertar e vamos trabalhar nisso.

Procuremos ser mais pais do nosso futuro do que filhos do nosso passado.

– Miguel de Unamuno –

Certamente você se recorda de alguma situação parecida com esta: algo de injusto aconteceu com você, por exemplo, você falhou em uma prova na qual pensava ter ido bem. Você se sente mal revendo em sua mente a situação, se queixa do professor ou de si mesmo. Procura culpados.

Está paralisado pensando no que aconteceu, que pertence o passado, e o passado não pode ser modificado. A culpa nos bloqueia.

Mas se você mudar o chip e decidir fazer algo a respeito: talvez solicitar uma revisão, talvez estudar os temas nos quais tirou notas baixas, talvez pedir ajuda, as emoções mudam. A frustração se transforma em motivação. Amadurecer é aprender a passar do primeiro estado para o segundo.

Assim, da próxima vez que algo der errado e você perceber que está procurando os culpados, pense no que você pode fazer de melhor para virar essa página. As emoções negativas são inevitáveis, mas se buscarmos soluções em vez de culpados, em algum momento, nos daremos conta de que deixamos a situação para trás e estamos avançando em direção aos nossos objetivos.

Um ótimo final de semana!

Bjos, Ju

Quer saber maishttp://www.contioutra.com/a-maturidade-de-nao-culpar-ninguem-pelo-que-me-acontece/

O que teria em um dia perfeito?

#30ideias30dias  28º dia

O que teria em um dia perfeito?

Vi essa Tag em blog que conheci recentemente, achei muito legal pensar sobre 10 coisas que faria ou teria no seu dia perfeito, “um dia dos sonhos” sejam bem vindos ao “fantástico mundo de Juliana… Onde tudo pode acontecer”, pois é agora as pessoas já desconfiam de quantos anos eu tenho citando o Fantástico Mundo de Bob e Mundo da Lua…

Quando eu comecei a pensar nisso, tomei como base os dias mais felizes da minha vida e até agora foi o dia mais feliz foi do nosso casamento vou descrever porque…

1)    Estava realizando o maior sonho da minha vida “Formar uma família com alguém que me AMASSE de VERDADE”

2)    No lugar que que pra mim é muito especial a IGREJA, onde o AMOR de Deus é mais visível. (na minha opinião!)

3)    Lá estavam nossas famílias e os amigos que nos amam como família.

4)    Eu estava lindaaaaaaa, sério nunca me senti tão linda na minha vida!

5)    Me senti profundamente amada pela família do Nando que se empenhou de uma forma que eu não conseguia acreditar quando cheguei na festa e me deparei com a decoração infinitamente melhor do que eu sonhei.

6)    Todos se emprenharam em ir estilo Retro… O que me deixou emocionada!

7)    COMIDA ERA MARAVILHOSA – Agora preciso explicar um dos detalhe do meu casamento, foi rodizio de pizza… Estranho, né? No começo eu também achei, mas todo mundo amooou!

8)    Dançamos muito!

9)    Nesse dia descobri que não há limites pra felicidade!

10)  Noivas acreditem “No final tudo dá certo”, mesmo não é lenda! kkkkk

aa5aa1da-504e-443a-936f-9756e40794e5

Fotos do dia mais feliz da minha vida… Sim, nosso casamento foi Retro!!

Quando você usa de base um dia assim, fica mais complicado ter um dia perfeito pra competir, mas como o que não me falta são ideias, dois minutos depois eu tinha a descrição de um dia perfeito.

DIA PERFEITO ONDE TUDO PODE ACONTECER!!!

1)    É o dia do meu aniversário, eu acordo em casa com café da manhã farto em um dia ensolarado de outono (porque eu só gosto de sol pra enfeitar).

2)    Depois recebo um lindo presente SURPRESA DO NANDO, ganhei uma viagem pra PARIS! \o/

3)    Vou recebendo, e-mails, ligações e muitos Whats das pessoas que apesar de estarem longe, não esqueceram desse dia que eu considero tão especial!

4)    Começo os preparativos da minha festa no jardim que por sinal é o da minha casa dos sonhos!

5)    A decoração fica perfeita!

6)    Chegou a equipe do buffet de crepes com todos os recheios que mais amo no mundo… Eu fico mega empolgada pensando nos convidados.

7)    Os convidados começam a chegar, toda nossa família e nossos amigos mais próximos.

8)    A playlist enche a festa de emoção e alegria com as musicas que escolhi e claro vamos todos dançar muito animados!

9)    Ganho presentes, das lembrancinhas até as coisas mais caras, todas elas “tem a minha cara”, foram escolhidas com carinho pensando em mim, afinal isso que importa!

10)  Na hora do parabéns eu recebo uma oração cheia de carinho, desejando que Deus continue guiando a minha vida…

image005

Que delicia pensar sobre esse dia, fiquei profundamente emocionada… Eu praticamente vivi esse dia na minha imaginação que é tão fértil que fez com tudo parecesse muito real!

Você já imaginou como seria seu dia perfeito?

Quem sabe acontece, não é mesmo!?!?!

 

Outra vez SONHOS…

#30ideias30dias  27º dia

image003

Olá pessoal…

Hoje recebi esse texto por e-mail da Espaçonave, achei muito legal o tema ser SONHO…

 
Objetivos podem até trazer foco, mas sonhos trazem poder.” John Maxwell
Ah! Os sonhos

Os danados dos sonhos… essas coisinhas insistentes e barulhentas que ficam dentro da nossa cabeça e que se alimentam da gente! Ou alimentam a gente. Cada pedacinho do nosso ser. Pro bem ou pro mal. Tipo assim: se a gente investe neles e tá dando o nosso melhor, eles se comportam feito vitamina, uma espécie de Biotônico Fontoura da alma (ah, agora eu entreguei minha idade!)… 😛 Mas se a gente os ignora e finge que não é com a gente, eles viram roedores da mente, capazes de tomar cada centímetro quadrado do nosso cérebro, fazendo uma bagunça danada lá dentro. Verdade, experimenta sonhar e não fazer nada com isso pra ver como o sonho suga a gente por dentro. Dói. Dói na alma. Por isso que muita gente prefere nem sonhar. E eu entendo. :/

Agora experimenta investir neles, cuidar deles, conversar com eles, trazer eles pra fora pra ver o que que acontece!? Você ganha em tamanho, cresce, aparece, se torna mais vivo. Se torna mais você. Sonhos que recebem atenção têm o poder de deixar a gente mais a gente mesmo. Sonhos são poder. E é por isso que quando alguém para de sonhar (seja qual for o sonho!), é porque deixou morrer um cadinho de si mesmo lá dentro.

Sonhos são o começo de tudo. O cara que inventou a cadeira sonhou. A pessoa que foi pro mato viver tranquila sonhou. O sujeito que inventou o avião sonhou. A mãe que deu a luz sonhou. O médico que salvou vidas sonhou. A menina que virou pilota de caça sonhou. E é por isso que a gente precisa estimular e criar terreno pra que eles floresçam. Sonhos movem mais que o mundo. Sonhos movem gente. Quer coisa mais importante?

E foi pra dar lugar aos sonhos que a Bel Pesce criou o BeDream Fund, ficou sabendo? Um movimento pra estimular sonhos. E mais de 500 mil pessoas votaram em sonhos alheios (olha só a força disso!) e agora tá rolando uma rodada pra ajudar os sonhos vencedores (e outros também!) ganharem o mundo. E eu tô felizona de te contar que vou estar lá pra compartilhar minha experiência sobre sonhos, negócios, vida saudável, empreendedorismo, propósito…

Bora acompanhar?

A Rafa Capai entra  hoje, dia 12, às 17h30 (aproximadamente). E amanhã, dia 13, às 19h(também aproximadamente). Mas toda a transmissão tá massa e vale acompanhar! Simbora?

Pra acompanhar a transmissão ao vivo!*  http://atraves.tv/

Bjos, Ju

GRANDES MUDANÇAS = SOMATÓRIA DE PEQUENOS DETALHES

#30ideias30dias  26º dia

image006

Oi, pessoal

Bem agora na reta final do desafio eu não estou conseguindo cumpri-lo ainda não terminei #30ideias30dias…

Peço desculpas a quem acompanha todos o dias e espero que você estejam com saudade das postagens…

Ontem li um texto muito interessante que fala que “Grandes mudanças acontecem a partir de pequenos detalhes, principalmente aqueles a que não damos tanta importância” e como estou vivendo uma fase na minha vida em que tenho valorizado os “detalhes”, porque eles estão formando o pano de fundo pra minha história atual decidi compartilha-lo com vocês

O texto que eu li é grande e bem abrangente e uma das citações dele é ” Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota” e pra minha felicidade descobri que essa citação pertence a Madre Teresa de Calcutá… Legal, saber que uma mulher que entregou sua vida em favor dos necessitados pensava assim, como eu pensei pra criar o blog… \o/

Vou usar apenas a estória ilustrativa do texto e deixar o link pra você acessar caso se interesse pelo assunto:

A estória do vestido azul.

Conta-se uma estória, que em um vilarejo vivia uma menina pobre que sempre frequentava a escola muito suja. Seu professor, comovido com a situação da menina, e apesar dos esforços financeiros, comprou-lhe um vestido.

A partir de então, sua mãe passou a cuidar melhor do asseio da criança, visto que não seria coerente que a menina vestisse o vestido novo tão suja. Por outro lado, seu pai, vendo que a filha estava bem cuidada, decidiu que a menina merecia uma casa bonita e teve a atitude de realizar alguns reparos, tornando-a mais agradável de viver.

A esposa, ao ver que a casa estava mais bonita, teve a ideia de fazer um lindo jardim, pois uma casa reestruturada precisava de flores para dar vida ao lar. Os vizinhos, assim que notaram as mudanças, também começaram a pintar suas casas e a criarem seus jardins. E dessa forma a vila inteira foi toda transformada.

                                                                   O vestido azul (autor desconhecido)

O que VOCÊ poderia fazer hoje para dar inicio na mudança da vida de alguém?

Bjos, Ju

Quer saber maisSoraya Rodrigues de Aragão

http://alquimiadavida.org/grandes-mudancas-acontecem-a-partir-de-pequenos-detalhes

OS BENEFÍCIOS DE NÃO SER O MELHOR

 #30ideias30dias  25º dia

image004

Olá Pessoal!

Hoje quero compartilhar uma crônica da Martha Medeiros indo na contramão do senso comum no tema  SER SEMPRE O MELHOR…

OS BENEFÍCIOS DE NÃO SER O MELHOR

Meu pai sempre jogou tênis, desde que me conheço por gente. Lembro de uma vez em que ele comentou que o adversário ideal é aquele que possui o mesmo nível, mas que se fosse preciso escolher entre jogar com alguém melhor ou com alguém pior do que ele, preferiria jogar com alguém melhor, porque gratificante não era vencer fácil aquele que sabe menos, e sim aprender com quem te exige algum esforço.

É um verbo em desuso que merece ser revitalizado: aprender. A verdadeira postura competitiva não é a daquele cara que almeja atingir o topo de qualquer maneira, e sim daquele que extrai de um superior o estímulo para encontrar o próprio caminho para vencer a si mesmo. Porque não são poucos nossos adversários internos: a ignorância, o comodismo, a ferrugem. É preciso treinar bastante para flexibilizar os movimentos todos: os do corpo e os da mente. E dessa forma avançar, sempre buscando mais, numa estrada hipoteticamente sem fim.

Prefiro ler livros de quem escreve bem melhor do que eu. De quem tem mais a dizer do que eu. Além do prazer que isso me dá, não vejo outra maneira de aprimorar meu trabalho.

Prefiro conversar com pessoas mais vividas que eu, mais inteligentes, com melhores histórias para contar. Talvez algumas delas sintam o mesmo em relação a mim (pensem que sou eu a mais-mais), porém o que importa não é essa quantificação, que, aliás, é totalmente subjetiva. O que estimula é ter consciência de o quanto a nossa vida se enriquece com a experiência do outro. Não por acaso, adoro programas de entrevistas, onde posso enxergar a emoção do entrevistado, seu humor, sua ironia, sua indignação – entrevistas por escrito nem sempre destacam essas sutilezas.

Adoro jantar com quem conhece mais gastronomia do que eu, salientando temperos que normalmente eu não perceberia. Gosto de viajar com quem já viajou bastante e desenvolveu um olhar para certos lugares que para mim é novo. Prefiro dançar com quem sabe me conduzir.

Mas com a condição de que esses iluminados transmitam sua sabedoria naturalmente, sem pedantismo – senão vira aula, perde a graça. Gosto de aprender sem que o outro perceba que está me ensinando.

Claro que competidores profissionais devem tentar eliminar seu oponente – menos um na escalada ao pódio. Nenhum atleta profissional treina tanto, investe tanto, para não se importar em perder em nome do benefício do aprendizado. Que aprendizado, o quê. Neymar, Cielo, Massa, não desapontem a torcida. Mas amadores deveriam perceber que, em vez de se fingirem de campeões duelando com derrotados, mais vale tornarem-se melhores com a passagem do tempo, através de vitórias conquistadas no silêncio da observação. É um troféu oferecido por você a você mesmo – todos os dias.

Martha Medeiros  05 de maio de 2012 – (livro a Graça da Coisa)

Bjos, Ju

Trilha sonora de Terça-Feira

#30ideias30dias  24º dia

Oi, Pessoal

Esta semana que por sinal é a ultima do desafio #30ideias30dias, eu estou com uma overdose de coisas pra pensar, decidir e resolver… #DEUSMEAJUDA

Mas em meio a correria nada melhor que uma boa música pra trazer alegria e calma, por isso a dica de hoje é uma música que minha amiga Laura, sugeriu pra aparecer aqui no blog!!!

Bjos,

“A gente leva da vida a vida que a leva” 

 #30ideias30dias  23º dia

Hoje descobri um ilustrador  do cotidiano e me apaixonei… 

O intuito dessa indicação é mostrar que a vida é bela… Só precisa ser vivida e apreciada…

Felicidade e alegria acessíveis a todos, todos os dias em todos os lugares… Basta querer!

Vamos brincar de dar legendas?!?!

Sol, em dias de inverno!1

Noite estrelada


2

Uma noite especial!3

A vida acontecendo com trilha sonora!4

A artista (legenda original)5

O melhor despertador do mundo!6

Sábado no parque7

8

Viver!9

Domingo de manhã!10

11

Segunda-feira12

Era uma vez! (legenda original)13

Nosso futuro bem próximo!15

Se você também se apaixonou: http://www.pascalcampion.com/sketch-of-the-day

Um ótimo final de semana… Aproveita pra viver e perceber!!!

Bjos, Ju